Melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

9 de jan de 2010

A Diva e a Magnani




“Magnani possui
um est
ilo de atuação
repleto de instinto
popular
, que não tem
relação alguma com
o teatro profissional”

Comentário de
Luchino Visconti,
em 1951 (1)




Entre Ser Mulher e Ser Atriz


Anna
foi a contribuição de Luchino Visconti ao filme em episódios Nós, as Mulheres (Siamo Donne, 1953). Composto por cinco episódios, cinco divas do cinema italiano (naquela época Ingrid Bergman, que atua no episódio dirigido por Roberto Rossellini, poderia ser incluída) que contam uma estória de suas vidas particulares. Casos que ilustram o conflito entre ser atriz e ser mulher. De acordo com Millicent Marcus, a exceção é o episódio de Visconti, onde para a famosa atriz italiana Anna Magnani os dois estados estão interligados (2).

O filme se passa numa época da vida de Magnani onde ela atuava em casas de espetáculos, girando em torno de uma briga com um motorista de táxi enquanto a diva se dirigia para o espetáculo do dia. Ele queria cobrar uma taxa extra por causa do cachorro que ela levava no colo, Magnani insistia que como ele era levado em seu colo não precisava pagar. Após convencer um grupo de policiais que estava certa, a atriz chega atrasada ao teatro, paga uma conta exorbitante ao taxista (que ela arrastou por toda Roma para provar seu ponto), e termina o filme cantando e encantando o público da sala de espetáculos.

“Agora é Minha Vez”

O filme de Visconti vai muito além de mostrar uma mulher falastrona e palhaça, aponta para o complexo e multifacetado caráter da mulher Anna Magnani enquanto diva do cinema italiano. Na opinião de Visconti, as origens dela no vaudeville a protegeram das “tendências esclerosadas” dos atores com treino profissional. Permitindo a ela estabelecer um contato mais direto com o público de massa ao qual o próprio Visconti aspirava depois que A Terra Treme (La Terra Trema: Episodio del Mare, 1948) fracassou na bilheteria. (as três imagens deste artigo, Anna, episódio dirigido por Visconti em Nós as Mulheres, 1953)


“É esta fusão de profissionalismo e ‘instinto popular’ que habita o âmago do mito Magnani e dá a impressão de uma continuidade dinâmica entre a vida pública e a privada da diva. ‘Aos olhos dos espectadores e leitores das revistas de estrelas’, escreveu Francesco Bolzoni, ‘pessoa e personagem terminavam coincidindo’, e o episódio de Visconti pode ser interpretado como uma investigação crítica dessa convergência” (3)

Anna revela como o sucesso da diva no palco é derivado de sua identidade na vida privada, caracterizada por uma teatralidade espontânea e uma predisposição para brincadeiras que permitiram a ela cativar o bando de policiais. Magnani transforma cada espaço que ela ocupa num palco. O próprio Visconti comentou a respeito da habilidade dela em extrair a teatralidade inata até mesmo dos atores não-profissionais com quem ela trabalhou:



“Ela sabe como
se colocar no nível dos
outros
. E, de certa forma,
sabe como trazer os
outros ao dela”





Uma vez que a atriz não deseja desapontar o público sempre na expectativa, o status de diva é baseado num contrato com seus espectadores. Um contrato que deve ser renovado por performances regulares, no palco e fora dele. A diva Magnani ofereceu uma imagem de impulsividade, inquietude e feminilidade apaixonada, seja como Pina, em Roma, Cidade Aberta (Roma Città Aperta, 1945), ao insistir em seguir o marido preso pelos nazistas, ou como ela mesma na vida real, quando jogou um prato de espaguete em Rossellini após uma conversa telefônica com Ingrid Bergman – por quem o cineasta trocou Magnani.

Visconti revela o quanto planejada e construída foi o ser mulher dessa atriz. Não é a vida privada que alimenta a persona pública, mas o ser atriz que faz nascer o ser mulher. No começo de Anna, Magnani faz a introdução do filme: “Agora é minha vez. Sou Anna Magnani. Estão vendo o táxi lá no fundo? Eu estou lá dentro, estou indo ao teatro. Bem, pediram-me que contasse um episódio de minha vida. Tenho certeza de que se não lhes contar uma briga ficarão todos desiludidos, não é mesmo? Não sei por que, quando se fala da Magnani... Para falar a verdade, na rua ouço dizer, ‘Deixem para lá, ela é respondona!’"

Notas:

1. MARCUS, Millicent. After Fellini. National Cinema in the Postmodern Age. Baltimore (USA): The Johns Hopkins University Press, 2002. P.44.
2. Idem, p. 43.
3. Ibidem, p. 44.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), assim como jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

1900 8 1/2 A Aventura A Classe Operária Vai ao Paraíso A Doce Vida A Estrada A Maldição do Demônio A Morte A Noite A Questão Sulista A Ricota A Terra Treme A Tragédia de um Homem Ridículo A Vida é Bela A Voz da Lua Abismo de Um Sonho Accattone Agência Matrimonial Agostinho Alain Delon Alain Resnais Amarcord Amor e Raiva Angelina a Deputada Anno Unno Ano Zero Antes da Revolução Antonin Artaud Antonio Pietrangeli Antonioni Aquele que Sabe Viver Arroz Amargo As Mãos Sobre a Cidade Balázs Barbara Steele Barthes Bazin Belíssima Benigni Bertolucci Bicicleta Blow Up Bresson Buñuel Burguesia Cabíria Cadáveres Ilustres Camponeses Cardinale Casanova de Fellini Cavani Censura Cidade das Mulheres Cinecittá Cinecittà Cinema de Poesia Cinema Paradiso Cinema Político close Cocteau Comédia Italiana Comencini Comunismo Consumo Corpo Cultura de Massas Damiano Damiani De Santis De Seta De Sica Decameron Deuses Malditos Dialeto Divórcio à Italiana doença de Eros Dois Destinos Dostoyevski Dublagem E La Nave Va Édipo Rei Eisenstein Ekberg Ensaio de Orquestra Entrevista Era Uma Vez na América Era Uma Vez no Oeste Ermanno Olmi espaguete Europa 51 Existencialismo Expressionismo Abstrato Fascismo Fassbinder Favela Fellini Feminismo Francesco Rosi Freud Gaviões e Passarinhos Gelsomina Gente del Po Gilles Deleuze Ginger e Fred Giulietta Masina Giuseppe Ferrara Glauber Rocha Godard Gradisca Gramsci Griffth Hammer Films História Hitler Hollywood Holocausto Homossexualidade Igreja Il Provino Infantilismo Ingmar Bergman Ingrid Bergman Investigação de Um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita Irmãos Taviani Judeu Julieta dos Espíritos Jung Kapò Kieslowski Kurosawa La Luna Lacan Ladrões de Bicicleta Lattuada Leone Lollobrigida Loren Madre Fanciulla Mãe Magnani Malena Mamma Roma Marco Bellocchio Marilyn Monroe Mario Bava Mark Rothko Marxismo Mastroianni Medéia Melodrama Milagre Econômico Misoginia Mito da Caverna Monicelli Moravia Morte em Veneza Mulher Mulheres e Luzes Mussolini N.U. Nazarin Nazi-Retrô nazismo Neo-Realismo Noites de Cabíria Nosferatu Nudez no Cinema O Bandido Giuliano O Carteiro e o Poeta O Caso Mattei O Conformista O Deserto Vermelho O Eclipse O Frango Caseiro O Grito O Leopardo O Milagre O Ouro de Roma O Teatro e Seu Duplo O Último Imperador O Último Tango em Paris Obsessão Os Banqueiros de Deus Os Boas Vidas Os Palhaços Os Sonhadores Pai Pai Patrão Paisà Partner Pasolini Pasqualino Peplum Petri Pietro Germi Platão Pocilga Poesia Pollock Pontecorvo Por Uns Dólares Pornografia Pós-Moderno Potemkin Profissão Repórter Prostituta Psicanálise Quando Explode a Vingança Realismo Poético Francês Religião Repressão Sexual Riccardo Freda Risi Rocco e Seus Irmãos Rogopag Roma Roma Cidade Aberta Rossellini Rosto Sacco e Vanzetti Sade Sagrado Salò São Mateus Saraghina Satyricon de Fellini Scola Seduzida e Abandonada Sexo Silvana Mangano Sócrates Stefania Sandrelli Stromboli suicídio Surrealismo televisão Teorema Terrorismo Tinto Brass Tornatore Totó Três Homens em Conflito Trilogia da Incomunicabilidade Trilogia da Salvação Trilogia da Solidão Trilogia da Vida Trilogia do Caráter Trilogia do Homem sem Nome Trilogia dos Dólares Truffaut Umberto D Verão Violento Verga Viagem à Itália Vincere Visconti Vitimas da Tormenta Vitti Wertmüller Winnetou Woode Strode Zabriskie Point Zavattini Zurlini

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.