Melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

3 de abr de 2011

A Guerra dos Seios no Cinema Italiano





De
Lollobrigida à Loren,
o frenesi mamário talvez seja
o símbolo maior da derrota do

cérebro feminino frente aos
fetiches do patriarcado
que aind
a as domina




A indústria de fabricação de estrelas da tela teve grande importância na formação do cinema italiano no imediato pós-guerra. O nascente Neo-Realismo tentou, pelo menos por algum tempo, evitar isso contratando atores não-profissionais. Até que alguns cineastas do próprio o movimento começam a empregar elementos de entretenimento, incluindo a presença de estrelas (1). Glauber Rocha ressaltou com alguma ironia: “O Neo-Realismo lançou super mulheres como Silvana Mangano, Silvana Pampanini, Sophia Loren, Gina Lollobrigida, Claudia Cardinale, Monica Vitti e outras que fizeram da Itália o melhor mercado turístico” (2). Como definiu muito bem Edgar Morin, os figurantes vestem roupas, a estrela é vestida. Seu vestuário é um adorno. Certamente, insistiu Morin, a estrela pode até estar vestida modestamente, mas o estético domina o real. As camisolas de Sophia Loren em A Mulher do Rio (La Donna del Fiume, 1954), ou os elegantes trapos de Lollobrigida em Pão, Amor e... revelam o supremo ornamento das estrelas: seus corpos. Exigência de beleza que é simultaneamente exigência de juventude (3). (imagem acima, Loren em Ontem, Hoje, Amanhã; abaixo, à direita, Cardinale em Era Uma Vez no Oeste; a seguir, Mangano em Arroz Amargo)


A  moda  dos

seios  grandes  é
mais   antiga  do
que se imagina




Quando se fala de estrelas de cinema, o rosto continuará sendo o ponto central de nossos olhares. Entretanto, para o bem e para o mal, outras partes do corpo estão sendo valorizadas. A preferência das décadas de 50 e 60, tendência que parece estar voltando, eram os seios. Por outro lado, essa parte do corpo já possuía uma longa tradição de importância nas sociedades européias. Basta lembrar a mitologia grega. Hera se encontra com Hércules ainda bebê, ele consegue alcançar os seios dela para se alimentar. Ferida pelos dentes afiados dele, Hera o atira para longe e o leite ainda na boca dele se espalha formando a Via Láctea. Outro exemplo é A Liberdade Guiando o Povo (1830). Na famosa pintura de Eugène Delacroix, com seus seios desnudos Marianne personifica a liberdade, carregando a bandeira francesa numa das mãos e uma arma na outra. Sem falar nas famosas estátuas pré-históricas de figuras femininas com seios e bundas grandes.

Hoje em dia
os ca
minhos são
outros, naquela época
o caminho eram
os concursos
de beleza



Silvana Papanini, Lucia Bosè (1931) e Lollobrigida foram as primeiras maggiorati do cinema italiano. Em O Julgamento de Frine (episódio de Outros Tempos, Altri Tempi, direção Alessandro Blasetti, 1952), o personagem de Vittorio De Sica faz um comentário (supostamente um elogio) sobre o tipo físico da personagem de Lollobrigida. A partir daí a expressão italiana maggiorata física classificará o corpo das atrizes de cinema – especialmente ou, essencialmente, no caso dos seios avantajados. A fama de maggiorata passou a perseguir Gina, que sempre insistia em afirmar que não era só um corpo. Certa vez um repórter pediu as medidas de seu busto para comparar com os de Marilyn Monroe. Com a ascensão de Sophia Loren, a competição mamária continuou. Na França, todos se referiam a Gina como Lollo (4). Canales nos apresenta uma curiosa lista de associações verbais. De acordo com dicionários franceses da época, no vocabulário infantil lolo (como um “l” só) também designa um vocábulo onomatopaico para lait (leite). Lollo também é listado como “seio de mulher”. Outra hipótese sugeria que o termo Lollo surgiu da confusão entre o substantivo francês lait e a contração do artigo masculino le com a palavra eau (l’eau), de água, que se pronuncia . Seria razoável concluir que os dicionários estivessem apenas seguindo a ocorrência de novos vocábulos em função de elementos culturais (no caso, a fama de Lollobrigida). Embora na época Gina não parecesse se importar em ser chamada de Lollo, há evidências de que detesta o apelido.





Seios pequenos
eram símbolo de
uma
mulher i
nteligente e menos dependente dos seus
atributos físicos






Como disse Marilyn Yalom, Anna Magnani, Gina Lollobrigida e Sophia Loren ofereciam uma visão alternativa da sexualidade apaixonada ou vingativa que ardia por baixo dos seus cabelos escuros e seios empinados. Essas mulheres davam impressão que a sexualidade se centrava nos seios. Havia (ainda há?) uma oposição entre seios grandes e seios pequenos. Atrizes de seios pequenos não eram símbolos de sexo, mas da elegância das classes mais elevadas. É como se algumas atrizes estivessem acima das exigências do corpo, mesmo protagonizando histórias de amor. A ausência de carne sugeria sofisticação e inteligência (5). No cinema italiano ou na sociedade em geral, a maggiorata parece estar voltando à moda sob o patrocínio da cirurgia plástica. Na década de 60, o padrão de magreza anoréxica e sem busto foi lançado pela modelo inglesa Twiggy.(imagem acima, Sophia Loren em A Rifa; abaixo, Gina Lollobrigida)



Ela insistia
que n
ão era apenas
um corpo belo
, mas quando perguntaram a Lollobrigida
sobre a nova moda que
desvalorizava
o busto
ela respondeu
:
“é horrível”
(6)



Notas:

Leia também: 


As Mulheres de Luis Buñuel

Luis Buñuel, Incurável Indiscreto
As Deusas de François Truffaut 
Conexão Seios (I), (II), (III), (epílogo)
O Silêncio de Pasolini
Breve Incursão na Guerra dos Sexos
Antonioni e o Grito Primal
O Dragão Rossellini e a Santa Ingrid
A Diva e a Magnani
As Mulheres de Federico Fellini (I)
Aquele que Sabe Viver
As Mulheres de Pier Paolo Pasolini (I)

1. RICCI, Steven. Cinema & Fascism. Italian Film and Society, 1922-1943. Berkeley: University of California Press, 2008. Pp. 204n31.
2. ROCHA, Glauber. O Século do Cinema. São Paulo: Cosac Naify, 2006. P. 259.
3. MORIN, Edgar. As Estrelas. Mito e Sedução no Cinema. Tradução Luciano trigo. Rio de Janeiro: José Olympio, 1989. P. 31. No livro de Morin lemos “Brigitte” e não Lollobrigida, mas a referência à Pão, Amor e... Não deixa dúvidas quanto a quem ele se refere. A única dúvida é saber se Morin confundiu Lollo com Bardot ou se encontramos um erro de tradução na edição brasileira.
4. CANALES, Luis. Gina Lollobrigida. Uma Biografia Não-Autorizada da Vênus Imperial. Rio de Janeiro: Editorial Nórdica, 1996. Pp. 62, 65, 82.
5. YALOM, Marilyn. História dos Seios. Tradução Maria Augusta Júdice. Lisboa: Teorema, 1998. P. 230.
6. CANALES, Luis. Op. Cit., p. 82. 


Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), assim como jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

1900 8 1/2 A Aventura A Classe Operária Vai ao Paraíso A Doce Vida A Estrada A Maldição do Demônio A Morte A Noite A Questão Sulista A Ricota A Terra Treme A Tragédia de um Homem Ridículo A Vida é Bela A Voz da Lua Abismo de Um Sonho Accattone Agência Matrimonial Agostinho Alain Delon Alain Resnais Amarcord Amor e Raiva Angelina a Deputada Anno Unno Ano Zero Antes da Revolução Antonin Artaud Antonio Pietrangeli Antonioni Aquele que Sabe Viver Arroz Amargo As Mãos Sobre a Cidade Balázs Barbara Steele Barthes Bazin Belíssima Benigni Bertolucci Bicicleta Blow Up Bresson Buñuel Burguesia Cabíria Cadáveres Ilustres Camponeses Cardinale Casanova de Fellini Cavani Censura Cidade das Mulheres Cinecittá Cinecittà Cinema de Poesia Cinema Paradiso Cinema Político close Cocteau Comédia Italiana Comencini Comunismo Consumo Corpo Cultura de Massas Damiano Damiani De Santis De Seta De Sica Decameron Deuses Malditos Dialeto Divórcio à Italiana doença de Eros Dois Destinos Dostoyevski Dublagem E La Nave Va Édipo Rei Eisenstein Ekberg Ensaio de Orquestra Entrevista Era Uma Vez na América Era Uma Vez no Oeste Ermanno Olmi espaguete Europa 51 Existencialismo Expressionismo Abstrato Fascismo Fassbinder Favela Fellini Feminismo Francesco Rosi Freud Gaviões e Passarinhos Gelsomina Gente del Po Gilles Deleuze Ginger e Fred Giulietta Masina Giuseppe Ferrara Glauber Rocha Godard Gradisca Gramsci Griffth Hammer Films História Hitler Hollywood Holocausto Homossexualidade Igreja Il Provino Infantilismo Ingmar Bergman Ingrid Bergman Investigação de Um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita Irmãos Taviani Judeu Julieta dos Espíritos Jung Kapò Kieslowski Kurosawa La Luna Lacan Ladrões de Bicicleta Lattuada Leone Lollobrigida Loren Madre Fanciulla Mãe Magnani Malena Mamma Roma Marco Bellocchio Marilyn Monroe Mario Bava Mark Rothko Marxismo Mastroianni Medéia Melodrama Milagre Econômico Misoginia Mito da Caverna Monicelli Moravia Morte em Veneza Mulher Mulheres e Luzes Mussolini N.U. Nazarin Nazi-Retrô nazismo Neo-Realismo Noites de Cabíria Nosferatu Nudez no Cinema O Bandido Giuliano O Carteiro e o Poeta O Caso Mattei O Conformista O Deserto Vermelho O Eclipse O Frango Caseiro O Grito O Leopardo O Milagre O Ouro de Roma O Teatro e Seu Duplo O Último Imperador O Último Tango em Paris Obsessão Os Banqueiros de Deus Os Boas Vidas Os Palhaços Os Sonhadores Pai Pai Patrão Paisà Partner Pasolini Pasqualino Peplum Petri Pietro Germi Platão Pocilga Poesia Pollock Pontecorvo Por Uns Dólares Pornografia Pós-Moderno Potemkin Profissão Repórter Prostituta Psicanálise Quando Explode a Vingança Realismo Poético Francês Religião Repressão Sexual Riccardo Freda Risi Rocco e Seus Irmãos Rogopag Roma Roma Cidade Aberta Rossellini Rosto Sacco e Vanzetti Sade Sagrado Salò São Mateus Saraghina Satyricon de Fellini Scola Seduzida e Abandonada Sexo Silvana Mangano Sócrates Stefania Sandrelli Stromboli suicídio Surrealismo televisão Teorema Terrorismo Tinto Brass Tornatore Totó Três Homens em Conflito Trilogia da Incomunicabilidade Trilogia da Salvação Trilogia da Solidão Trilogia da Vida Trilogia do Caráter Trilogia do Homem sem Nome Trilogia dos Dólares Truffaut Umberto D Verão Violento Verga Viagem à Itália Vincere Visconti Vitimas da Tormenta Vitti Wertmüller Winnetou Woode Strode Zabriskie Point Zavattini Zurlini

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.