Melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

27 de fev de 2013

O Gueto Romano no Cinema Italiano


“É   impossível
subestimar a importância
[do   local   da   filmagem] em
[O Ouro de Roma], onde a vida 
da   comunidade   judaica   está  profundamente emaranhada
nos espaços da topografia
de   Roma (...)

Milicent Marcus (1)



Palco Alfa-Ômega

Seja como simples ambientação folclórica e romântica ou como palco de um povo que lá estava desde o Império Romano, o gueto judeu em Roma surge nas telas do cinema italiano geralmente sem se anunciar, sendo percebido apenas por aqueles que o conhecem ou sabem de sua existência. Do ponto de vista romântico, Flaminio Di Biagi explica que no caso de Um Americano em Roma (Un Americano a Roma, direção Steno, 1954) o gueto é confundido com Trastevere, mas que qualquer romano reconheceria o Pórtico de Ottavia quando o “trasteverino” Nando Moriconi se agacha próximo a sua casa e tenta enganar o guarda. Ou ainda em Fortunella (direção Eduardo De Filippo, 1958), quando o casal interpretado por Alberto Sordi e Giulietta Masina aparecem (no final da 1ª parte) morando num barraco encostado no muro da via di Sant’Angelo in Pescheria, bem atrás do Pórtico (imagem abaixo, à direita). Em Nel Blù Dipinto di Blù (direção Piero Tellini, 1959), o protagonista morava e trabalhava entre o Pórtico de Otttavia e as ruínas do Teatro Marcello (naquela época ainda não havia sido transformado em área arqueológica com acesso limitado), em pleno gueto judeu (última imagem do artigo). Muito tempo depois, este será o mesmo caso de Sotto... Sotto... Strapazzato da Anomala Passione (direção Lina Wertmüller, 1984). Em Investigação Sobre um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita (Indagine su un Citadino al di Sopra di Ogni Sospetto, direção Elio Petri, 1970), o apartamento da amante assassinada pelo policial/amante está localizado bem em frente à Sinagoga, via del Tempio 1 (2). (imagem acima, judeus do gueto sendo levados, a sinagoga é perfeitamente visível ao fundo, O Ouro de Roma)

(...)   As     muitas     tomadas 
[de O Ouro de Roma] em locações 
no   gueto   ligam   a  comunidade   ao 
cenário,   marcado   por   uma   série   de cantos      pitorescos,      fragmentos     de colunas,   arcos   integrados   às paredes, ruas  de  paralelepípedos dominados 
pelo domo da sinagoga num ponto e 
o Teatro de Marcello noutro (...) (3)


“Eu não sabia que atrás de certas ruínas famosas existiu um bairro que costumava ser chamado de gueto. Um dia, há muitos anos, um amigo me levou até lá”. Com esta narração começa Storia d’amore e di Amicizia (direção Franco Rossi, 1982), minissérie para a televisão italiana. Na opinião de Milicent Marcus, são palavras sugerem a dimensão da ignorância dos italianos em torno da problemática entre judeus e nazistas em seu próprio país (4). Nos filmes italianos em que o gueto é mostrado como local dedicado à comunidade judaica, Di Biagi admite que os roteiros sejam mais dramáticos. O Ouro de Roma (L’oro di Roma, direção Carlo Lizzani, 1961) é considerado o filme símbolo do destino trágico dos judeus de Roma durante a Segunda Guerra Mundial, quando eles foram obrigados pelos nazistas a entregar 50 quilos de ouro como passaporte para a liberdade – de nada adiantou, em 16 de outubro de 1943 todos foram evacuados. Mais recentemente, Confortorio (direção Paolo Benvenuti, 1992) acompanhou a situação de dois jovens judeus nos anos de 1700. Acusados de furto, seriam convertidos antes da execução. Mas Di Biagi também relembra exemplos (que ele considerou) cômicos do cotidiano dos judeus no gueto de Roma. Em Os Carbonários (Nell’anno del Signore, direção Luigi Magni, 1970), ambientado no século XIX, um cardeal católico comenta diante da visão da plebéia interpretada por Claudia Cardinale: “Que pecado: tão bela, tão judia!”


Para Milicent Marcus, 
a montagem  no  final de  
O Ouro de Roma (mostrando 
o gueto vazio), juntamente com 
o   desespero   de   Massimo  (de  quem      ouvimos     os      passos  ecoando),  visto   de  um   ângulo muito   alto,    constituem   uma espécie  de  luto  visual.  Uma encenação da perda, como se
o próprio espaço estivesse enlutado pelos ausentes (5)



Notas:

Leia também:

Uma Vida Não Tão Bela

1. MARCUS, Millicent. Italian Film in the Shadow of Auschwitz. Toronto: University of Toronto Press, 2007. P. 41.
2. DI BIAGI, Flaminio. Il Cinema a Roma. Guida alla Storia e ai Luoghi del Cinema nella Capitale. Roma: Palombi Editore, 2010. Pp. 122-5.
3. MARCUS, Millicent. Op. Cit., p.41.
4. Idem, p. 28.
5. Ibidem, p. 42.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), assim como jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

1900 8 1/2 A Aventura A Classe Operária Vai ao Paraíso A Doce Vida A Estrada A Maldição do Demônio A Morte A Noite A Ricota A Terra Treme A Tragédia de um Homem Ridículo A Vida é Bela A Voz da Lua Abismo de Um Sonho Accattone Agência Matrimonial Amarcord Amor e Raiva Angelina a Deputada Anno Unno Ano Zero Antes da Revolução Antonin Artaud Antonio Pietrangeli Antonioni Aquele que Sabe Viver Arroz Amargo As Mãos Sobre a Cidade Barbara Steele Barthes Bazin Belíssima Benigni Bertolucci Bicicleta Blow Up Burguesia Cabíria Cadáveres Ilustres Camponeses Cardinale Casanova de Fellini Cavani Censura Cidade das Mulheres Cinecittá Cinecittà Cinema de Poesia Cinema Paradiso Cinema Político close Comédia Italiana Comencini Comunismo Consumo Damiano Damiani De Santis De Seta De Sica Decameron Deuses Malditos Divórcio à Italiana doença de Eros Dois Destinos Dublagem E La Nave Va Édipo Rei Ensaio de Orquestra Entrevista Era Uma Vez na América Era Uma Vez no Oeste Ermanno Olmi espaguete Europa 51 Fascismo Favela Fellini Feminismo Francesco Rosi Freud Gaviões e Passarinhos Gelsomina Gente del Po Gilles Deleuze Ginger e Fred Giulietta Masina Giuseppe Ferrara Glauber Rocha Godard Gramsci Hitler Hollywood Holocausto Homossexualidade Igreja Il Provino Ingrid Bergman Investigação de Um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita Irmãos Taviani Judeu Julieta dos Espíritos Jung Kapò Kieslowski Kurosawa La Luna Lacan Ladrões de Bicicleta Lattuada Leone Lollobrigida Loren Mãe Magnani Malena Mamma Roma Marco Bellocchio Marilyn Monroe Mario Bava Marxismo Mastroianni Medéia Melodrama Milagre Econômico Mito da Caverna Monicelli Morte em Veneza Mulher Mulheres e Luzes Mussolini Nazi-Retrô nazismo Neo-Realismo Noites de Cabíria Nosferatu Nudez no Cinema O Bandido Giuliano O Carteiro e o Poeta O Caso Mattei O Conformista O Deserto Vermelho O Eclipse O Grito O Leopardo O Milagre O Ouro de Roma O Teatro e Seu Duplo O Último Imperador O Último Tango em Paris Obsessão Os Banqueiros de Deus Os Boas Vidas Os Palhaços Os Sonhadores Pai Pai Patrão Paisà Partner Pasolini Pasqualino Peplum Petri Pietro Germi Pocilga Poesia Pontecorvo Por Uns Dólares Pornografia Profissão Repórter Prostituta Psicanálise Quando Explode a Vingança Realismo Poético Francês Religião Risi Rocco e Seus Irmãos Rogopag Roma Cidade Aberta Rossellini Rosto Sade Salò São Mateus Satyricon de Fellini Scola Seduzida e Abandonada Silvana Mangano Stefania Sandrelli Stromboli televisão Teorema Terrorismo Tornatore Três Homens em Conflito Trilogia da Incomunicabilidade Trilogia da Salvação Trilogia da Solidão Trilogia da Vida Trilogia do Caráter Trilogia do Homem sem Nome Trilogia dos Dólares Truffaut Umberto D Verão Violento Viagem à Itália Visconti Vitimas da Tormenta Vitti Wertmüller Zabriskie Point Zavattini Zurlini

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.