Melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

.

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

22 de mar de 2011

Mussolini, o Cipião Africano




“O cinema
será a arm
a
mais forte”


Benito
Mussolini





O Passado Maquiando o Presente

Públio Cornélio Cipião foi um general que comandou os exércitos de Roma durante a Segunda Guerra Púnica no século 2 a.C., derrotando o general cartaginês Aníbal na batalha de Zama - pelo feito recebeu o apelido de “o africano”. O filme épico Cipião, o Africano (Scipione l’Africano, direção Carmine Gallone, 1937) reproduz a saga do general foi produzido pelo filho de Benito Mussolini, havendo a explicita intenção de traçar um paralelo entre a defesa que Cipião fez do império romano e as pretensões colonialistas de Il Duce na África. Cipião, o Africano se apresentava como um prelúdio de algo que deveria se completar no presente vivido pelos espectadores – que estavam ou deveriam estar condicionados pelos interesses do regime fascista. Épico histórico que reconstitui um momento particular do passado imperial (que, supostamente, teria uma relação direta com a república fascista italiana), seu objetivo era projetar personalidades do cenário nacional contemporâneo a Mussolini cuja função seria abrir o caminho para um futuro inevitável. Se o ciclo de filmes em torno de homens musculosos e de retidão moral com Maciste serviram ao fascismo para legitimar o uso da força para alcançar seus objetivos, Cipião, o Africano substitui a ação da força física pela estetização da ação política (1). (imagem acima, Cipião volta para casa depois da batalha; abaixo, à direita, durante a batalha de Zama, ele dispara na frente da tropa)


A batalha
de Zama é coreografada
como uma monumental exibição
de atletismo
, não muito diferente
da demons
trações coletivas
de atletismo ince
ntivadas
pelo regime



Se em filmes como o épico Cabíria (direção Giovanni Pastrone, 1914), os personagens agiam pela defesa heróica de indivíduos inocentes, em Cipião, o Africano eles são líderes comprometidos com os grandes interesses da não. O atletismo do homem musculoso é substituído pela força da ação militar. Stephen Ricci afirma que esta substituição ecoa a descrição retórica do próprio regime fascista em relação a suas iniciativas cívicas em termos militares: as batalhas pelos grãos, pela lira, pelo crescimento demográfico, etc. Contando uma história sobre o Império Romano, Cipião, o Africano invoca uma herança imperial para explicar a evolução do fascismo e afirmar um destino manifesto para justificar o imperialismo italiano na África nas décadas de 20 a 40 do século XX. É assim que o expansionismo fascista no mediterrâneo reedita a luta entre Roma e Cartago pelo Mare Nostrum – latim para “nosso mar. Sendo assim, o expansionismo colonialista de Mussolini sobre a África era uma questão de “luta de vida ou morte”. (imagem abaixo, à esquerda, na saudação do povo à Cipião nota-se o padrão da saudação à Mussolini e Hitler)

Quem Não Conhece o Passado...



Levar uma
questão ao povo
é fazer aquilo que
é
melhor para
a nação?



De acordo com Ricci a relação entre o filme e a guerra de conquista que a Itália empreendia na África fica evidente logo na primeira cena. Somos apresentados a um tapete de corpos de soldados romanos caídos no campo de batalha de Cannae. Então um soldado se levanta e ergue o estandarte destruído sobre o campo de batalha para prometer: “Nós vingaremos Cannae!”. Ao reunir suas tropas, Cipião apresenta o mesmo estandarte ao seu exército e promete que eles irão “vingar Cannae”. Ao final da batalha de Zama, a cena inicial se inverte. Agora os cadáveres pertencem aos soldados de Cartago, enquanto o estandarte é erguido e um soldado grita: “você vingou Cannae, Aníbal foi derrotado”. Esta promessa de vingança é idêntica à que o regime fascista fez circular pouco antes da invasão italiana da Etiópia em outubro de 1935 (dois anos antes do filme): o primeiro objetivo da guerra era capturar a cidade de Adowa, local de uma desastrosa derrota dos italianos em 1896 – o regime proclamava no rádio, “nós vingaremos Adowa!”. Ricci mostra que a associação entre as duas batalhas era feita pela platéia em 1937.



Cipião, o Africano
invoca a Roma Imperial como justificação para o imperialismo italiano
, além de sugerir que o Fascismo é o desenvolvimento natural desse passado
no
presente




Por sua vez, o personagem de Cipião se distingue dos políticos tradicionais romanos por seu militarismo e sua identificação com a vontade do povo. No começo do filme ele propõe que para livra Roma e a Itália de Aníbal a guerra deve ser levada ao solo africano. Os senadores romanos demonstram receio de que o general esteja usando a situação para proveito próprio. Perguntado se romperia com o senado e “levaria a questão para o povo”, Cipião responde que “fará aquilo que for melhor para a nação”. Ricci chama atenção para esta maneira de autorizar a estratégia militar através da fusão entre um nacionalismo anti-parlamentar e uma vontade democrática subjetiva (2). Imediatamente depois desta resposta, Cipião deixa o senado para ser aclamado por uma multidão. Esta fala de Cipião no senado é entremeada por comentários de gente do povo, cidadãos de várias regiões do país – um dos problemas da unificação da Itália era a profusão de dialetos, e Mussolini foi uma peça chave na implantação do idioma italiano unificado. Ao agrupar os vários grupos sociais distintos sob a mesma bandeira, Roma Imperial é apresentada como a origem do regime fascista.(imagem acima, à direita, soldado romano ergue o estandarte ao final da batalha e lembra a todos que Aníbal foi derrotado e a morte dos romanos em Cannae foi vingada)

... Está Condenado a Repeti-lo!



Desvalorizar
o inimigo é
prática
mi
lenar e o cinema se prostituiu rapidamente, assumindo esta função
em nossa sociedade
c
ontemporânea



Outra articulação entre o que supostamente acontecia no passado e o presente fascista da Itália de Mussolini, Stephen Ricci apontou na cena em que Cipião volta para casa depois da triunfal seqüência do senado e recebe as jóias da própria esposa para ajudar na guerra – e o filho do general brinca com o capacete do pai. Na idílica ordem familiar romano-fascista, a família deve se sacrificar quando os interesses da nação estão em jogo. Contudo, Ricci chama atenção de que coincidentemente a forma desse sacrifício remete diretamente a uma prática fascista da década de 30. Quando lá pelo final de 1935 o custo da guerra de conquista colonialista na Etiópia começava a abalar a economia italiana o regime passou a encorajar as mulheres a doar suas jóias – em particular, Ricci chamou atenção, as alianças de ouro. Portanto, a sugestão de Ricci é que esta seqüência de Cipião, o Africano enriquece o significado dessa prática fascista ao localizar sua suposta origem num costume que contribuiu para a glorificação da Antiga Roma. (imagem abaixo, à direita, a esposa de Cipião doando suas jóias para o esforço de guerra)


Para garantir que
a massa “entenda as
instru
ções corretamente”,
sempre existe um político
para demonstrar que
os fins justificam
certos os meios




Ricci deixa claro que essa associação entre a Antiga Roma e o fascismo não é abstrata. Em 1939, o Ministro das Corporações (uma espécie de Câmara dos Deputados) Giuseppe Bottai (que também foi Ministro da Educação, 1936-1943) escreveu: “O herói se torna o espantalho para outro herói, que reclama o direito de progenitura; e, na realidade, é esse segundo que chama nossa atenção e dissolve o primeiro. Cipião, para as crianças, não é o herói romano, mas Mussolini. As ações de Cipião, em virtude de sua transposição, evocam as ações de Mussolini. A analogia se torna identidade” (3). Esta declaração, conclui Ricci, é nada menos do que uma instrução de uso, onde o Estado demonstra a forma “correta” de entender o esquema representacional de Cipião, o Africano. Durante todo o filme Aníbal é contrastado a Cipião, da mesma forma os soldados cartagineses e os romanos. Ao contrário dos primeiros, estes são organizados e disciplinados. Os africanos são apresentados como uma massa assalariada individualista e desordenada, enquanto os romanos são cidadãos altruístas de uma nação hierarquizada. (imagens abaixo, à esquerda, os romanos se preparam para a batalha, em primeiro plano pode-se ver três fasci, um símbolo que será resgatado por Mussolini no próprio nome do movimento que instaurou: Fascismo; à direita, Cipião discursa no senado)

A Casa de Mussolini


Cipião, o Africano
trazia de volta os símbolos romanos que Mussolini desejava re-introd
uzir na paisagem de Roma




O paralelo entre a Roma clássica e a moderna também poderia ser percebido na reorganização do espaço da Roma contemporânea. De uma forma ou de outra, Cipião, o Africano participava do projeto do regime e de Mussolini de se sobrepor a Roma moderna – seus símbolos e ícones – à Antiguidade. A paisagem urbana italiana estava mudando. Entre 1932 e 1940, onze novas cidades foram construídas, como Saubadia, Littoria, Pontinina, Guidonia, Aprilia e Mussolinia (atual Arborea). São todas “cidades de fundação”, onde algumas instruções urbanísticas eram fornecidas pelo próprio Duce (4). Roma sofreu uma série de intervenções, foram demolidos trechos de habitações degradas e cortiços (por mais historicamente relevantes que pudessem ser) para dar lugar a grandes avenidas e prédios públicos, pontes e ministérios de uma antiguidade “modernizada” – incluindo uma grande cidade dos esportes e o Foro Mussolini (atualmente conhecido como Foro Itálico). Uma série de monumentos e ruínas romanas passou a ser visível a distância. A Roma Imperial da Antiguidade foi reciclada no interior da simbologia fascista, incluindo uniformes, estatuária, sinais de transito, design gráfico e até mesmo nas histórias em quadrinhos.



Muito da arquitetura
que se pode ver e
m Roma é frutodo planejamento urbano durante a Era Fascista




Em 1934, por exemplo, os professores eram obrigados a vestir o uniforme fascista na sala de aula, completo com insígnias e fasci romano. A suposta data da fundação de Roma Antiga virou feriado nacional na Itália. O regime organizava exposições públicas para mostrar “sua” herança romana, especialmente na Mostra della Rivoluzione Fascista (em 1932, 1937 e 1940), estabelecendo um ponto de contato literal com Cipião, o Africano. Na verdade, o cenarista e decorador do filme foi um dos responsáveis pela organização da edição de 1937 – a Exibição da Romanidade. Ao restaurar as ruínas da antiga Roma (visível para os espectadores do filme também na sua experiência cotidiana na metrópole contemporânea), a cenografia também evoca seu renascimento e renovação na arquitetura neoclássica fascista. Mudanças foram introduzidas no próprio calendário. De acordo com o calendário Cristão, o Fascismo se instalou no governo em 1922. A esta data, o regime se referia como Anno I E.F. – Ano I da Era Fascista. Nos créditos do próprio filme o ano de produção é XVI E.F. – quer dizer, 1937.


Fellini: Infantilismo e Fascismo na Sociedade Italiana
As Mulheres de Mussolini, Ontem e Hoje
Antonioni e a Trilogia da Incomunicabilidade (I)
As Mulheres de Andrei Tarkovski (I)
Este Corpo Não Te Pertence: A Mulher Fascista

1. RICCI, Steven. Cinema & Fascism. Italian Film and Society, 1922-1943. Berkeley: University of California Press, 2008. Pp. 90, 96-105, 201n16.
2. Idem, p, 98.
3. Ibidem, p. 100.
4. CESAR, Janaína. Cidades do Duce Recuperadas. Rio de Janeiro: Comunità Italiana, Ano XV – nº. 127, janeiro de 2009. P. 26.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), assim como jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

1900 (3) 8 1/2 (20) A Aventura (17) A Classe Operária Vai ao Paraíso (2) A Doce Vida (36) A Estrada (11) A Maldição do Demônio (2) A Morte (2) A Noite (17) A Ricota (7) A Terra Treme (10) A Tragédia de um Homem Ridículo (1) A Vida é Bela (3) A Voz da Lua (6) Abismo de Um Sonho (4) Accattone (17) Agência Matrimonial (2) Além das Nuvens (1) Amarcord (15) Amor e Raiva (2) Angelina a Deputada (1) Anno Unno (2) Ano Zero (9) Antes da Revolução (4) Antonin Artaud (2) Antonio Pietrangeli (1) Antonioni (58) Aquele que Sabe Viver (5) Arroz Amargo (7) As Mãos Sobre a Cidade (2) Barbara Steele (2) Barthes (6) Bazin (5) Belíssima (1) Benigni (3) Bertolucci (28) Bicicleta (10) Blow Up (14) Buñuel (4) Burguesia (18) Cabíria (12) Cadáveres Ilustres (2) Camponeses (3) Cardinale (9) Casanova de Fellini (3) Cavani (5) Censura (10) Cidade das Mulheres (17) Cinecittá (3) Cinecittà (5) Cinema de Poesia (3) Cinema Paradiso (7) Cinema Político (10) close (11) Comédia Italiana (5) Comencini (3) Comunismo (23) Consumo (10) Damiano Damiani (1) Dario Argento (1) De Santis (5) De Seta (2) De Sica (29) Decameron (5) Deuses Malditos (4) Divórcio à Italiana (1) doença de Eros (2) Dois Destinos (1) Dublagem (4) E La Nave Va (4) Édipo Rei (11) Ekberg (9) Ensaio de Orquestra (6) Entrevista (3) Era Uma Vez na América (1) Era Uma Vez no Oeste (7) Ermanno Olmi (2) espaguete (8) Europa 51 (9) Expressionismo Abstrato (3) Fascismo (35) Favela (3) Fellini (80) Feminismo (3) Francesco Rosi (8) Freud (14) Gaviões e Passarinhos (5) Gelsomina (9) Gente del Po (3) Giallo (1) Gilles Deleuze (3) Ginger e Fred (4) Giulietta Masina (5) Giuseppe Ferrara (2) Glauber Rocha (7) Godard (10) Gramsci (6) Hitchcock (1) Hitler (12) Hollywood (43) Holocausto (7) Homossexualidade (11) Igreja (10) Il Provino (2) Ingrid Bergman (6) Investigação de Um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita (2) Irmãos Taviani (2) Judeu (4) Julieta dos Espíritos (8) Jung (5) Kapò (1) Kieslowski (2) Kurosawa (3) La Luna (4) Lacan (2) Ladrões de Bicicleta (1) Lattuada (4) Leone (12) Lollobrigida (11) Loren (14) Mãe (13) Magnani (9) Malena (2) Mamma Roma (19) Marco Bellocchio (2) Marilyn Monroe (6) Mario Bava (2) Marxismo (4) Mastroianni (15) Medéia (7) Melodrama (3) Milagre Econômico (21) Mito da Caverna (1) Monicelli (8) Morte em Veneza (1) Mulher (27) Mulheres e Luzes (1) Mussolini (39) Nazi-Retrô (2) nazismo (10) Neo-Realismo (54) Noites de Cabíria (13) Nosferatu (3) Nudez no Cinema (3) O Bandido Giuliano (4) O Carteiro e o Poeta (2) O Caso Mattei (2) O Conformista (6) O Deserto Vermelho (15) O Eclipse (22) O Gato de Nove Caudas (1) O Grito (8) O Leopardo (1) O Milagre (7) O Ouro de Roma (1) O Pássaro das Plumas de Cristal (1) O Teatro e Seu Duplo (1) O Último Imperador (6) O Último Tango em Paris (4) Obsessão (6) Os Banqueiros de Deus (1) Os Boas Vidas (7) Os Palhaços (2) Os Sonhadores (2) Pai (5) Pai Patrão (1) Paisà (21) Partner (4) Pasolini (73) Pasqualino (2) Peplum (5) Petri (3) Pietro Germi (1) Pocilga (8) Poesia (3) Pontecorvo (7) Por Uns Dólares (3) Pornografia (9) Profissão Repórter (15) Prostituta (15) Psicanálise (12) Quando Explode a Vingança (1) Quatro Moscas Sobre Veludo Cinza (1) Realismo Poético Francês (1) Religião (11) Risi (5) Rocco e Seus Irmãos (10) Rogopag (3) Roma Cidade Aberta (27) Rossellini (54) Rosto (4) Sade (3) Salò (11) São Mateus (5) Satyricon de Fellini (3) Scola (14) Seduzida e Abandonada (2) Silvana Mangano (19) Stefania Sandrelli (2) Stromboli (11) televisão (3) Teorema (15) Terrorismo (8) Tornatore (9) Três Homens em Conflito (2) Trilogia da Incomunicabilidade (11) Trilogia da Salvação (2) Trilogia da Solidão (2) Trilogia da Vida (12) Trilogia do Caráter (2) Trilogia do Homem sem Nome (2) Trilogia dos Bichos (1) Trilogia dos Dólares (2) Truffaut (7) Umberto D (5) Verão Violento (5) Viagem à Itália (10) Visconti (46) Vitimas da Tormenta (4) Vitti (4) Wertmüller (5) Zabriskie Point (9) Zavattini (10) Zurlini (13)

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.