Melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

.

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

25 de abr de 2012

As Marionetes dos Mistérios de Antonioni




 
“Um ator
 é como um
elemento numa
 tomada qualquer, 
assim como uma
parede, uma árvore
ou uma nuvem são
elementos dessa
tomada”

Antonioni (1)



Suas opiniões sobre a função do ator não faziam dele a pessoa mais popular do mundo. Já em 1948 Antonioni externou suas reservas com o método de direção de atores do cineasta francês Marcel Carné – o cineasta italiano havia sido assistente dele em Os Visitantes da Noite (Les Visiteurs du Soir, 1942). De acordo com Antonioni, a admiração que Carné demonstrava pelos atores e atrizes era justamente o contrário daquilo que grandes diretores fariam. Como exemplo de grande diretor Antonioni citou Josef von Sternberg, que dominava os atores exatamente porque os desprezava. Em 1950, durante as filmagens de Crimes da Alma (Cronaca di um Amore), Antonioni esbofeteou a atriz Lucia Bosé. Segundo ele, para minar o natural bom humor dela e fazê-la chorar. No caso de Massimo Girotti, que ao contrário de Bosé era um ator experiente, Antonioni deliberadamente omitiu informações para deixá-lo num estado de incerteza tal que arrancasse dele o tipo de atuação que o cineasta desejava. “Eu não sou uma marionete”, respondeu o ator Steve Cochran, protagonista de O Grito (Il Grido, 1957) (imagem abaixo), quando Antonioni lhe deu algumas instruções sobre o que fazer em determinada cena – o cineasta disse que Cochran mostrou “falta de inteligência” com essa atitude (2). (imagem acima, O Deserto Vermelho)





“Para [Antonioni]
atores não são a coisa
mais importante. Eles
são uma espécie de
espaço móvel”

Jack Nicholson (3)



Ainda em O Grito, Antonioni ficou muito contrariado quando a atriz Betsy Blair pediu a ele que explicasse cada linha do roteiro – anteriormente ao fato, o cineasta havia elogiado a inteligência de Blair. Jeanne Moreau, a Lídia de A Noite (La Notte, 1961), também se ressentiu do comportamento de Antonioni. Mark Frechette, o ator não-profissional de Zabriskie Point (1970), Richard Harris em O Deserto Vermelho (Il Deserto Rosso, 1964) e Christine Boisson, a Ida de Identificação de Uma Mulher (Identificazione di Una Donna, 1982), também não ficaram com boas lembranças – Christine descreveu o cineasta como alguém muito introspectivo. Segundo David Forgacs, dentre atores e atrizes as vozes dissonantes vieram dos elogios de Monica Vitti, Vanessa Redgrave e Jack Nicholson – os dois últimos atuaram, respectivamente, em Blow Up, Depois Daquele Beijo (Blow-Up, 1966) e Profissão: Repórter (Professione: Reporter, 1975). Antonioni dizia que o talento de Vitti seria mais bem aproveitado no cinema do que no teatro. O rosto dela, disse ele, é muito elástico e expressivo, algo que não pode ser captado a vários metros de distância pela platéia de um teatro (a cena de A Aventura onde ela faz caretas diante do espelho ilustra bem este ponto). Então ele capturava o rosto dela, o corpo dela (de costas ou de lado, a cena no início de O Eclipse onde a personagem dela arruma objetos enquadrados numa moldura vazia ilustra bem as intenções do cineasta em relação aos atores e atrizes) e sua voz (é dela a voz da atriz Dorian Gray em O Grito). (imagem abaixo, A Aventura)



(...) Um
princípio que
se repete nas
declarações de
Antonioni: é o diretor,
não o ator, que
determina o sentido
da atuação 
do ator num 
filme” (4)



Antonioni se descrevia como o oposto do cineasta Fred Zinnemann, que deixava os atores livres para criar depois de algumas poucas indicações. Para Antonioni, ao contrário, a espontaneidade do ator está comprometida quando ele tenta compreender o significado de uma cena ou frase. De fato, o trabalho de Antonioni com atores ecoa as declarações do cineasta francês Robert Bresson, que preferia a utilização de não-atores. Antonioni era diferente de cineastas como Vittorio De Sica (que tendo longa carreira como ator nutria grande empatia por eles ao dirigi-los), ou Federico Fellini (que começou escrevendo textos para o rádio e desenhando quadrinhos), ou Luchino Visconti (que trabalho no cinema, no teatro e na ópera). Antonioni começou sua carreira como crítico de cinema e roteirista, talvez por esta razão ele não organizava seus filmes em função dos atores, como os três outros cineastas italianos citados. Embora se possa dizer que Giuseppe De Santis e Roberto Rossellini tivessem alguma afinidade com Antonioni no que diz respeito a empurrar os atores e atrizes para situações experimentais, Forgacs acredita que ninguém foi mais longe do que ele nas interrogações em torno do próprio meio cinematográfico.




Notas:

Leia também:

Roma de Mussolini
Pornografia e Imagem
O Expressionista Desconhecido

1.FORGACS, David. Face, Body, Voice, Movement: Antonioni and Actors. In: RASCAROLI, Laura; RHODES, John David (orgs.). Antonioni. Centenary Essays. London: Palgrave MacMillan/BIF, 2011. P. 16
2.Idem, pp. 167-173.
3.Ibidem, p. 167.
4. Ibidem, p. 171.
.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), assim como jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

1900 (3) 8 1/2 (20) A Aventura (17) A Classe Operária Vai ao Paraíso (2) A Doce Vida (36) A Estrada (11) A Maldição do Demônio (2) A Morte (2) A Noite (17) A Ricota (7) A Terra Treme (10) A Tragédia de um Homem Ridículo (1) A Vida é Bela (3) A Voz da Lua (6) Abismo de Um Sonho (4) Accattone (17) Agência Matrimonial (2) Além das Nuvens (1) Amarcord (15) Amor e Raiva (2) Angelina a Deputada (1) Anno Unno (2) Ano Zero (9) Antes da Revolução (4) Antonin Artaud (2) Antonio Pietrangeli (1) Antonioni (58) Aquele que Sabe Viver (5) Arroz Amargo (7) As Mãos Sobre a Cidade (2) Barbara Steele (2) Barthes (6) Bazin (5) Belíssima (1) Benigni (3) Bertolucci (28) Bicicleta (10) Blow Up (14) Buñuel (4) Burguesia (18) Cabíria (12) Cadáveres Ilustres (2) Camponeses (3) Cardinale (9) Casanova de Fellini (3) Cavani (5) Censura (10) Cidade das Mulheres (17) Cinecittá (3) Cinecittà (5) Cinema de Poesia (3) Cinema Paradiso (7) Cinema Político (10) close (11) Comédia Italiana (5) Comencini (3) Comunismo (23) Consumo (10) Damiano Damiani (1) Dario Argento (1) De Santis (5) De Seta (2) De Sica (29) Decameron (5) Deuses Malditos (4) Divórcio à Italiana (1) doença de Eros (2) Dois Destinos (1) Dublagem (4) E La Nave Va (4) Édipo Rei (11) Ekberg (9) Ensaio de Orquestra (6) Entrevista (3) Era Uma Vez na América (1) Era Uma Vez no Oeste (7) Ermanno Olmi (2) espaguete (8) Europa 51 (9) Expressionismo Abstrato (3) Fascismo (35) Favela (3) Fellini (80) Feminismo (3) Francesco Rosi (8) Freud (14) Gaviões e Passarinhos (5) Gelsomina (9) Gente del Po (3) Giallo (1) Gilles Deleuze (3) Ginger e Fred (4) Giulietta Masina (5) Giuseppe Ferrara (2) Glauber Rocha (7) Godard (10) Gramsci (6) Hitchcock (1) Hitler (12) Hollywood (43) Holocausto (7) Homossexualidade (11) Igreja (10) Il Provino (2) Ingrid Bergman (6) Investigação de Um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita (2) Irmãos Taviani (2) Judeu (4) Julieta dos Espíritos (8) Jung (5) Kapò (1) Kieslowski (2) Kurosawa (3) La Luna (4) Lacan (2) Ladrões de Bicicleta (1) Lattuada (4) Leone (12) Lollobrigida (11) Loren (14) Mãe (13) Magnani (9) Malena (2) Mamma Roma (19) Marco Bellocchio (2) Marilyn Monroe (6) Mario Bava (2) Marxismo (4) Mastroianni (15) Medéia (7) Melodrama (3) Milagre Econômico (21) Mito da Caverna (1) Monicelli (8) Morte em Veneza (1) Mulher (27) Mulheres e Luzes (1) Mussolini (39) Nazi-Retrô (2) nazismo (10) Neo-Realismo (54) Noites de Cabíria (13) Nosferatu (3) Nudez no Cinema (3) O Bandido Giuliano (4) O Carteiro e o Poeta (2) O Caso Mattei (2) O Conformista (6) O Deserto Vermelho (15) O Eclipse (22) O Gato de Nove Caudas (1) O Grito (8) O Leopardo (1) O Milagre (7) O Ouro de Roma (1) O Pássaro das Plumas de Cristal (1) O Teatro e Seu Duplo (1) O Último Imperador (6) O Último Tango em Paris (4) Obsessão (6) Os Banqueiros de Deus (1) Os Boas Vidas (7) Os Palhaços (2) Os Sonhadores (2) Pai (5) Pai Patrão (1) Paisà (21) Partner (4) Pasolini (73) Pasqualino (2) Peplum (5) Petri (3) Pietro Germi (1) Pocilga (8) Poesia (3) Pontecorvo (7) Por Uns Dólares (3) Pornografia (9) Profissão Repórter (15) Prostituta (15) Psicanálise (12) Quando Explode a Vingança (1) Quatro Moscas Sobre Veludo Cinza (1) Realismo Poético Francês (1) Religião (11) Risi (5) Rocco e Seus Irmãos (10) Rogopag (3) Roma Cidade Aberta (27) Rossellini (54) Rosto (4) Sade (3) Salò (11) São Mateus (5) Satyricon de Fellini (3) Scola (14) Seduzida e Abandonada (2) Silvana Mangano (19) Stefania Sandrelli (2) Stromboli (11) televisão (3) Teorema (15) Terrorismo (8) Tornatore (9) Três Homens em Conflito (2) Trilogia da Incomunicabilidade (11) Trilogia da Salvação (2) Trilogia da Solidão (2) Trilogia da Vida (12) Trilogia do Caráter (2) Trilogia do Homem sem Nome (2) Trilogia dos Bichos (1) Trilogia dos Dólares (2) Truffaut (7) Umberto D (5) Verão Violento (5) Viagem à Itália (10) Visconti (46) Vitimas da Tormenta (4) Vitti (4) Wertmüller (5) Zabriskie Point (9) Zavattini (10) Zurlini (13)

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.